10 anos de Triunfo – Haiti/Dedo Na Ferida part. Caetano Veloso (Ao Vivo)

0



Emicida – DVD “10 anos de Triunfo” – Haiti/Dedo Na Ferida part. Caetano Veloso (Ao Vivo)

Haiti/Dedo Na Ferida participação especial Caetano Veloso “DVD 10 anos de Triunfo” ao vivo, gravado dia 20/11/17 na Audio em São Paulo.

Inscreva-se no canal VEVO oficial do Emicida: http://smarturl.it/EmicidaVEVO
Curtir Emicida:
Twitter:https://twitter.com/Emicida
Facebook:https://www.facebook.com/EmicidaOficial
Instagram:http://instagram.com/emicida

Uma produção Laboratório Fantasma Produções
Direção: Fred Ouro Preto
Direção musical: Dudu Marote
Direção artística: Evandro Fióti e Emicida
Direção executiva: Evandro Fióti
Coordenação e produção executiva: Raissa Fumagalli
Direção de arte: Adriel Nunes
Direção de arte e cenografia: Zé Carratu
Cenografia: André Coxa
Conteúdo LED: Studio Curva

Autores: Caetano Veloso, (Uns Produções) e Gilberto Gil (Gege Edições/ Preta Music) para “Haiti” e Emicida (Laboratório Fantasma/Warner Chappell) e Renan Saman (Mudroi – Dueto Ed.) para “Dedo na ferida”

Banda:
Emicida – Voz
Caetano Veloso (artista gentilmente cedido pela UNS PRODUÇÕES) – Voz
DJ Nyack – Toca-discos e vocais
Silvanny Rodriguez Sivuca – Percussão, bateria e bateria eletrônica
Carlos Café – Percussão e bateria eletrônica
Mônica Agena – Baixo
Ed Trombone – Percussão
Fernando Bastos – Violão
Jamah – Vocais
Nanny Soul – Vocais

Stylist: Marina Santa Helena
Emicida veste LAB
Banda veste FALA / Puma

Engenheiro e técnico de gravação U.M.: Maurício Cersosimo
Engenheiro responsável da U.M.: Marcos Possato Jr.(GabiSom)
Assistência técnica de gravação UM: Alejandra Luciani e Tofu Valsechi
Editor de Pro Tools: Maurício Cersosimo e Dudu Marote
Mixagem de bases e sequências: Maurício Cersosimo e Dudu Marote
Mixagem Stereo no estúdio Aurora Sound Studio por Maurício Cersosimo
Mixagem 5.1 no estúdio Gargel Mastering Estúdios por Maurício Cersosimo e Marurício Gargel com assistência de Tofu Valsechi
Masterizado no estúdio Gargel Matering Estúdios por Maurício Gargel

Captação ao vivo:
Direção executiva: Evandro Fióti
Coordenação executiva: Raissa Fumagalli
Assistentes de Produção: Vanildo Ricardo (Dinho) e Alexandre Ribeiro
Coordenação de palco: Cézar Vasconcelos
Técnico de P.A: Nivaldo da Rocha Costa
Técnico de monitor: Renato Venom
Técnicos de RF: Audio Stage – Jé Takaki
Roadies: Gabriel Izidoro e Luan Pessanha
Fonoaudiólogas: Ana Terra (Cor & Voz) e Bruna Caram

Imagem
Direção: Fred Ouro Preto
Assistente de direção: Tays Peres
Direção de fotografia: Carlinhos Nogueira
Programador de luz: Matheus Feitoza e Paulo Lebrão
Produção: Diogo Pinaffi
Assistente de produção: Leandro Teles
Montagem: Fernando Faria Freitas”Magnata” e Douglas Aguiar
Edição: Fernando Freita e Jeferson da Silva
Assistente de edição: Douglas Aguiar, Virginia Gatti
Finalização: Ricardo de Souza e Junior Braz
Tratamento de cor: MARLA
Colorista: João Moreira
Atendimento MARLA: Flavia Gannam

Operadores de câmera: Albert Bertti, Caroline Lima, Bruno Shintake, Cesar Ovalle, Fabio Politi, Juliana Matos, Maihara Marjorie, Mauricio Augusto, Murilo Salazar e Thales Banzai

Assistentes de câmera: Ailton Meira, André Salerno, Cristiano Santos Tinoco, Danilo Saraiva, Fernando Caneo, Gabriel do Nascimento, Paulo Vinícius Rodrigues, Robson Lima,

Logger: Gabriela Naraki
Maquinista: José Dorival da Silva
GIF: Guido Argel
Técnico de comunicação: José Daniel Bueno
Assistente de comunicação: Rodrigo Garcia e Wellington Rocha
Técnico de vídeo: Marcos Felix

Equipamentos:
Som: GabiSom
Luz: LPL
LED: Wolf Produções
Backline: Só Palco

Letra:
Quando você for convidado pra subir no adro
Da fundação casa de Jorge Amado
Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos
Dando porrada na nuca de malandros pretos
De ladrões mulatos e outros quase brancos
Tratados como pretos
Só pra mostrar aos outros quase pretos
E são quase todos pretos
Como é que pretos, pobres e mulatos
E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados

E não importa se os olhos do mundo inteiro
Possam estar por um momento voltados para o largo
Onde os escravos eram castigados
E hoje um batuque um batuque
Com a pureza de meninos uniformizados de escola secundária
Em dia de parada
E a grandeza épica de um povo em formação
Nos atrai, nos deslumbra e estimula
Não importa nada:
Nem o traço do sobrado
Nem a lente do fantástico
Nem o disco de Paul Simon
Ninguém, ninguém é cidadão
Se você for ver a festa do pelô, e se você não for
Pense no Haiti, reze pelo Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui

Vi condomínios rasgarem mananciais
A mando de quem fala de Deus e age como Satanás
(Uma lei) quem pode menos, chora mais
Corre do gás, luta, morre, enquanto o sangue escorre
É nosso sangue nobre, que a pele cobre
Tamo no corre, por dias melhores, sem lobby
Hei, pequenina, não chore
TV cancerigena, aplaude prédio em cemitério indígena
Auschwitz ou gueto? Índio ou preto?
Mesmo jeito irmão, extermínio,
Reportagem de um tempo mau, tipo Plínio
Alphaville foi invasão, incrimine-os
Eu grito …

source

Share.

About Author

Comments are closed.